Saúde Maranhão

Governo promove programação alusiva ao Dia Nacional da Luta Antimanicomial

Ações, realizadas no Hospital Nina Rodrigues (HNR), incluem rodas de conversa entre os profissionais da unidade e atividades educativas sobre saúde mental, voltadas para crianças e adolescentes.

18/05/2021 18h16
Por: Redação Fonte: Secom Maranhão
Programação alusiva ao Dia Nacional da Luta Antimanicomial no Hospital Nina Rodrigues (Foto: Ruy Barros)
Programação alusiva ao Dia Nacional da Luta Antimanicomial no Hospital Nina Rodrigues (Foto: Ruy Barros)

Com o tema “A Luta é pela Liberdade”, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) estará promovendo, nesta terça (18) e quarta-feira (19), atividades alusivas ao Dia Nacional da Luta Antimanicomial. As ações, realizadas no Hospital Nina Rodrigues (HNR), incluem rodas de conversa entre os profissionais da unidade e atividades educativas sobre saúde mental, voltadas para crianças e adolescentes.

“Quando se fala em Luta Antimanicomial, a figura do Hospital Nina Rodrigues ainda está muito carregada de preconceitos. Acredita-se que por ser um hospital psiquiátrico, ele não deveria ser um serviço reconhecido como uma prática não-manicomial, quando na verdade o que importa não são as paredes, mas a perspectiva enquanto assistência oferecida ao usuário”, conta a diretora geral do hospital, Ana Gabrielle Romanhol. 

O Dia Nacional da Luta Antimanicomial, 18 de maio, é lembrado no Brasil há mais de 20 anos e tenta reformular o olhar dado às pessoas que fazem tratamento na área da saúde mental. No Maranhão, o trabalho desenvolvido pela SES busca desenvolver a autonomia, a segurança e a confiança como formas de fortalecer a autoestima, mostrando aos pacientes que eles são indivíduos singulares e capazes. 

A chefe de Departamento de Atenção à Saúde Mental da SES, Isabelle Morais Rêgo, ressalta que a gestão estadual tem fortalecido a luta antimanicomial. “O Dia Nacional da Luta Antimanicomial ajuda a trabalhar a inclusão e o tratamento humanizado às pessoas. A iniciativa busca ampliar os acessos à assistência para pessoas com sofrimento psíquico com foco no cuidado integral, mas, também, ações de prevenção”, conta. 

Além do Hospital Nina Rodrigues existem no estado 89 Centros de Atenção Psicossocial (CAPs), entre gestão estadual e municipais, além de Serviços de Residências Terapêuticas (SRTs) e Unidades de Acolhimento (UAAs). Os equipamentos estão em constante modernização, por meio da capacitação dos profissionais e a articulação dos diversos pontos de serviço na Rede de Atenção Psicossocial (RAPS).

Programação

Osmarina Maranhão, mãe de jovem paciente do Hospital Nina Rodrigues (Foto: Ruy Barros)

Uma das atividades da programação em alusão a data aconteceu no Núcleo de Atenção à Saúde Mental da Criança e do Adolescente (NAMSCA), no Hospital Nina Rodrigues, e teve como subtema “Onde tem abuso, não tem brincadeira”. De forma lúdica, através de um teatro encenado pelos próprios profissionais do núcleo, foram levantados também assuntos relativos ao Combate à Exploração e Abuso Sexual Infantil, mobilização que integra a luta do dia 18 de maio. 

A psicóloga do Hospital Nina Rodrigues, Ariadne Oliveira, afirmou que o uso desse tipo de recurso facilita a compreensão. “Nós encenamos duas situações hipotéticas, uma em que os pais conversam com os seus filhos e outra em que isso não acontece. A criança cujos pais orientam terá maior facilidade em se expressar e se proteger buscando ajuda. Em tempos onde cada vez mais se passa tempo em redes sociais e smartphones, o descontrole quanto ao uso desses objetos pode abrir precedentes para que elas sejam vítimas de alguma de alguma forma”, salientou. 

O filho de Osmarina Maranhão iniciou acompanhamento psicológico no Nina Rodrigues há alguns meses. Segundo ela, acompanhar o filho adolescente de 12 anos nas consultas tem sido um aprendizado para além dos muros da unidade. “Antes de vir para cá com ele, confesso que tinha opiniões bem diferentes do que de fato é o hospital. Mas, com o tempo, acompanhando de perto o tratamento e como os profissionais atuam, eu passei a ter outro ponto de vista, e de como tudo aqui é feito pensando em contribuir para o bem dele”, disse. 

A programação incluiu ainda orientações aos colaboradores sobre a administração de ervas medicinais e medicamentos fitoterápicos, com o Programa Farmácia Viva Hortos Terapêuticos, bem como sessão de cineterapia e arteterapia.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.